Imprimir esta página
Quarta, 30 Junho 2021 16:21

CIAB 2021: "Open banking traz oportunidades de monetização para bancos e põe cliente no comando"

Avalie este item
(0 votos)

O CIAB FEBRABAN de 2021 teve a oportunidade de colocar em debate, com representantes de instituições financeiras e do Banco Central, o Open Banking.

No evento "Open banking traz oportunidades de monetização para bancos e põe cliente no comando", os convidados falaram sobre as oportunidades que o sistema promete criar para clientes e bancos, sobre o ecossistema de coordenação que resultou de sua criação e sobre a segurança que garante a todos os envolvidos.

A plena digitalização e a experiência do cliente
O chefe de departamento no Banco Central, João André Pereira, afirmou que o Open Banking é um projeto que o regulador trouxe para permitir a plena digitalização do mercado financeiro.

Trata-se de um projeto muito desafiador, que dá a oportunidade ao cliente de experimentar a mobilidade digital de forma segura e permite aos bancos acesso às informações, para criar o próprio radar para novos nichos e possibilita surgimento de novos modelos de negócios.

Carolina Fera, diretora do Bradesco Experience, define a capacidade de captação de dados que o Open Banking possui como um combustível para criar produtos e serviços mais personalizados.

Carolina explica que à medida que o sistema avança, já se fala em chamá-lo de Open Finance. Há, então, para as instituições financeiras uma oportunidade de expandir as fronteiras de ofertas de serviços, através do investimento em plataformas de análise de dados que os transformem em soluções de qualidade para os seus clientes.

Marcos Cavagnoli, diretor de Cash Management e orquestrador das iniciativas de Open Banking do Itaú Unibanco, define o sistema como um marco da revolução tecnológica para o sistema financeiro. Para ele, será responsabilidade dos bancos mudar a forma como entrega seus produtos e serviços, criando oportunidades para o cliente, educando-o e ajudando-o a dar seus próprios passos nesse novo ecossistema.

Sob o ponto de vista da vice-presidente e head de BFSI Practice da WSO2, Seshika Fernando, apenas os bancos que aderirem ao Open Banking vão sobreviver e poderão atender às necessidades dos clientes brasileiros, crescendo junto com eles. Seshika acredita que o Open Banking trará mudanças profundas, abrindo o sistema financeiro para uma geração de valor mais colaborativa.

Infraestrutura tecnológica e segurança de dados
Seshika Fernando explica que no Open Banking existe um mecanismo de credenciamento de dados e um órgão regulador (Banco Central) que avalia se a instituição participante pode receber os dados credenciados em nome do consumidor, que por sua vez, dá seu consentimento.

O cliente tem o poder de escolha, ele decide com quem quer compartilhar seus dados, por quanto tempo e para quais finalidades. Isto é, o cliente tem total ciência do que acontece com as informações que compartilha.

Então, uma empresa que participa desse sistema precisa passar por uma série de transformações que torna sua comunicação e segurança muito mais robustas, pois ela terá como principal responsabilidade assegurar seus consumidores e os dados que eles disponibilizam.

Com o Open Banking, as instituições financeiras utilizam um ecossistema tecnológico, com APIs que garantem o sigilo e a segurança das informações, e assim, são capazes de abandonar antigas práticas que traziam inúmeros riscos para os negócios e para os seus usuários.

O representante do Banco Central, João André Pereira, lembra que a transformação está sendo feita baseada na Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e respeitando também os dados bancários dos clientes. Todo processo foi construído em torno das mais rígidas regras de garantia de segurança para se alcançar a digitalização plena no mercado financeiro.

Segundo Carolina Fera, garantir segurança de dados é uma agenda prioritária das instituições participantes do Open Banking. Além disso, elas têm como responsabilidade ser transparentes com seus clientes, para diminuir sua desconfiança com os serviços prestados e deixar claro que o dado pertence ao cliente e a mais ninguém.

Finalmente, Marcos Cavagnoli argumenta que a maturidade do mercado financeiro dependerá de um esforço das empresas para educar seus consumidores sobre um conceito que evolui muito rapidamente: a privacidade. De acordo com ele, os bancos precisam ajudar todos os perfis de clientes a criarem uma consciência de privacidade, pois ela é a essência do design de experiência do usuário nesse novo ecossistema.

 

Assista a palestra na íntegra através do site da Noomis. 

 

Ler 211 vezes Última modificação em Quarta, 30 Junho 2021 19:04