Softwares para automação bancária, consultoria e treinamento em TI.

Sua Área

Idioma

ptafenfrdees

Tags

Nenhum marcador encontrado.

Quarta, 24 Junho 2020 21:48

CIAB Febraban 2020 - O PIX e a retomada do crescimento econômico

Avalie este item
(0 votos)

O CIAB Febraban é o maior evento de tecnologia do setor financeiro na América Latina. Esse ano, a 30ª edição acontece online, através da plataforma Noomis. Diversos painéis organizados promovem debates importantes sobre as principais tecnologias, inovações e modelos de negócios para o setor financeiro. O mundo pós-pandemia e os desafios do atual cenário também estão em pauta.

Nesta terça (23), o assunto de um dos painéis do CIAB Febraban 2020 foi o PIX, o Sistema de Pagamentos Instantâneos, que está prestes a ser lançado no Brasil, em novembro. O centro da discussão sobre o novo sistema foi como esse meio de pagamento inovador, rápido e democrático poderá contribuir para promover a retomada do crescimento econômico no país.

Confira nosso resumo sobre este painel. 

João Manoel Pinho de Mello, diretor de Organização do Sistema Financeiro e de Resolução do Banco Central (BACEN), iniciou sua participação no painel apresentando um panorama geral sobre o PIX. Ele destacou suas principais características. Entre elas está a velocidade, pois espera-se que eles sejam liquidados em até dez segundos. Outra muito importante, é a disponibilidade, porque será possível utilizar esse sistema 24 horas por dia, sete dias por semana e nos 365 dias do ano. Por fim, a segurança, trata-se de uma rede altamente testada e extremamente segura, tanto para quem paga, quanto para quem recebe.

Essa nova maneira de fazer pagamentos possui um enorme potencial de crescimento no Brasil. O representante do BACEN ressalta que existem cerca de 230 milhões de smartphones no país atualmente e estima-se que 29 bilhões de transações financeiras são feitas a partir desse dispositivo. Portanto, o PIX, que será efetuado de maneira totalmente digital, a partir de chaves como QR code, CPF ou CNPJ, e-mail, número de celular e até mesmo links, tanto para pessoa física quanto para empresas e órgãos governamentais, possui grande chance de ser rapidamente popularizado.

 

As vantagens do Pagamento Instantâneo
Coube a Ivo Mósca, superintendente de Open Banking e pagamentos instantâneos do Itaú Unibanco, explicar sobre as vantagens que o PIX trará para todo o mercado. Ele definiu o novo sistema de pagamento como um grande criador de oportunidades afinal, todos tendem a ganhar a partir da implementação dele.

Segundo Mósca, o governo ganhará maior participação, porque a informalidade diminuirá. Para empresas, o PIX significa redução de custos, diminuindo a quantidade de pagamentos feitos por numerários e consequentemente as perdas geradas por eles. Já para as instituições financeiras, o novo método digital produz enorme volume de informações, responsável por otimizar ofertas de produtos e serviços.

As transações para pessoa física também serão muito facilitadas. Primeiro, porque os custos serão reduzidos - dados do BACEN estimam que cada dez transações custará o equivalente a um centésimo de centavo. Em segundo lugar, há garantia que esses pagamentos serão de fato instantâneos, em poucos segundos serão liquidados. Por fim, derruba-se a barreira de transações entre bancos, principalmente para pequenos valores, então elas se tornam mais frequentes.

A adoção do PIX trará um enorme incentivo aos novos negócios e para digitalização de empreendimentos e clientes. A previsão é que depois de implantado, os processos de compra e serviços no e-commerce serão otimizados. Ivo Mósca explica que os custos que as empresas têm atualmente com pagamentos por meio de cartões de crédito e boletos serão drasticamente reduzidos e por receber mais rápido através do PIX, a sensibilização do estoque acontecerá mais depressa e consequentemente, o cliente terá que esperar menos tempo para receber os produtos.

 

Retomada econômica e inclusão financeira dos pequenos negócios
No debate sobre como o PIX vai contribuir para a retomada econômica no cenário pós- pandemia, João Manoel Pinho de Mello lembra que a plataforma do pagamento instantâneo será provida pelo Banco Central à custo, produzindo mais conveniência e baixando os gastos em toda a cadeia. "Não é só um motor de retomada de crescimento, do ponto de vista cíclico, como também é um motor de importantíssimo de crescimento sustentado de longo prazo", afirma Pinho Mello.

Na opinião de Ivo Mósca, os pequenos negócios serão os maiores beneficiados, justamente porque haverá uma redução do custo na aquisição de máquinas de pagamento de cartão. Ficará mais fácil e mais rápido receber o pagamento do cliente. Mósca prevê, portanto, uma adesão massiva das micro e pequenas empresas ao PIX depois de seu lançamento, pela grande atratividade que possui. Mas ele considera o enorme volume de informação que será gerado pelo novo sistema um ponto crítico. Haverá uma digitalização muito rápida do mercado e todo ecossistema terá pouco tempo para se adaptar a essas mudanças.

Leandro Vilain, diretor de Inovação, Produtos e Serviços Bancários da Febraban, define o cenário atual como uma contingência mundial responsável por mudanças de cultura e comportamento, que pode se estender por tempo indeterminado. Essas transformações nos influenciaram a utilizar mais serviços digitais e isso se refletirá também no setor bancário.

Dessa forma, Valain destaca dois pilares essenciais que vão contribuir para que o PIX se fortaleça. O primeiro pilar é a velocidade dessas transações, que será um grande diferencial para os clientes, fazendo com que se fidelizem ao serviço rapidamente. O segundo, é a flexibilidade de uso, porque o PIX atenderá a todo tipo de comércio e servirá para diferentes situações para pessoas físicas. Portanto, na concepção de Vilain, "o PIX é absolutamente transformacional e vem para se incorporar no dia a dia das pessoas, se tornando muito natural".

 

Como o Open Banking pode ajudar empresas e pessoas a superarem a crise?
"O Open Banking é programa estruturante e estratégico para a melhoria de eficiência do sistema financeiro" revela João Manoel Pinho de Mello, que explica que o cronograma de implementação desse projeto será feito em quatro fases e continua mantida, assim como a do PIX.

Para Ivo Mósca, o Open Banking "é um projeto de altíssimo impacto para o mercado" e trará gradualmente, conforme for avançando em cada fase, mecanismos para recuperação econômica. Trata-se de um enorme desafio para implantá-lo em um intervalo de tempo relativamente curto. Mas até outubro de 2021, todas as fases estarão finalizadas. Então, clientes terão melhores experiências e instituições poderão usufruir de suas informações, gerando mais valor.

"É um negócio transformacional para o setor bancário", ressalta Vilain. Ele completa explicando que requer muita tecnologia e estudo, mas vencerá a instituição quem oferecer produtos e serviços com maior transparência e simplicidade. Surgirão novas oportunidades, o volume dados aumenta e por isso, a capacidade de análise deve crescer também para agregar valor aos serviços. Leandro Vilain cita a experiências de outros mercados que já implantaram o Open Banking e conta como seus sistemas bancários se tornaram mais ágeis e mais competitivos por isso.

 

Como fica o investimento em tecnologia bancária nos próximos 12 meses?
Investir em tecnologia é essencial, mesmo em um cenário conturbado como o atual. Ivo Mósca exemplifica os dois projetos em discussão, o PIX e o Open Banking. Para ele, quanto mais investimento, mais as oportunidades crescem e novos modelos de trabalho aparecem. O ambiente de teste é um ambiente de inovação e de muito aprendizado.

Entretanto, Mósca alerta para a necessidade de se atentar à segurança também. Porque esse cenário de inovação também abre caminho para a engenharia social. Dessa forma, é preciso se adiantar, reforçar a segurança e tentar resguardar principalmente as informações e os consumidores.

Segundo Leandro Vilain, "é durante as crises que surgem oportunidades". O que significa que o momento atual é ideal para investir em novas tecnologias. Mais do que nunca, Vilain ressalta, a indústria bancária está aberta às mudanças, atenta a segurança e as novas tecnologias de biometria. Nesse cenário, o volume de investimentos em fintechs tem crescido, por exemplo. Ele conclui dizendo que os próximos anos serão permeados de oportunidades, e por isso os investimentos não podem parar.

 

 

Ler 51 vezes Última modificação em Quarta, 24 Junho 2020 22:25